Sábado, 12 de Novembro de 2005

universo saramagíneo

saramago3.gif
José Saramago parece gostar de janelas. Há diversas posições de pose, pedidas ou estudadas à janela, normalmente fechada protegendo o que se julga ser a melhor posição de fotogenia. A última que lhe conheço não sendo parecida é igual: ar circunspecto de profundo olhar para além do espaço que transcende o seu universo. Ou, talvez, como que uma reclusão intelectual por detrás da janela de aros de madeira mal pintados, olhando entre vidros o profundo não ser do seu mundo exterior, que o não protege dos seus conflitos existenciais, pois "o universo não tem notícia" da sua existência porque, os que o vêem passar na rua não dirão, "vai ali um materialista", antes, um prémio Nobel, "uma pessoa que tem as suas ideias as suas opiniões, os seus sustos, as suas esperanças"...Quais?-aquelas do Fernando "Pessoa sair do Cemitério dos Prazeres e passear por Lisboa com Ricardo Reis" -achado brilhante [na minha ideia conceptual das coisas em movimento] no seu romance, O Ano da Morte de Ricardo Reis? Talvez não: seria aproximar-se de uma ideia de reencarnação futurista de um qualquer beato da igreja católica. No fundo, o seu conflito não é com Deus mas sim com a Igreja Cristã, tanto mal concebido como entendido, no seu "Evangelho" temático para júris ver, o polemizado conteúdo intertextual de, O Evangelho segundo Jesus Cristo. O tema da morte é uma tentação, uma desilusão, uma frustração para quem não pediu para nascer. Não sei se o universo filosófico de Saramago tem alguma explicação genética, espontânea darwiana, religiosa/marxista, nietzschiana, para o "fenómeno" do percurso do nascer até à morte; de Nietzsche, disse Zaratustra, "como todos os elucidados do além" dizia que o mundo parecia-lhe "um sonho, um poema inventado por Deus. Uma nuvem irisada abrindo-se diante dos olhos de um divino descontente". Em que ficamos; Deus, Darwin, Nietzsche ou Saramago?

publicado por MateusVoltado às 23:22
link do post | comentar

.Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. imagem interpessoal

. o vento que nos guarda

. a mágica transformação

. era assim o caminho marít...

. que poetas árabes em seu ...

. o caminho de eufrates

. ai, se o ai para 2010

. un poème da carta de nave...

. ter coisas a dizer é dizê...

. entre cores e sabores o v...

. mUrosLatas&truqueS

. às vezes dá para lembrar

. um retrato asneirado

. 'arte pelo todo' Fernando...

. o zumbido da melga

. do mondego perdida

. lugares transparentes

. nem tudo que mexe

. pela insónia costumeira

. amanhã já te despedes

. bairro dos marítimos

. tranquilas aves do pensar

. blanco e negro

. ginja como reconstrução d...

. do mar esperei pela vida

. circulo da memória

. breve enfim

. em memória dos anos 60

. os à la minute d'agora

. [des]mote em pós-modernis...

. os cinco portões do limit...

. meridiano solar

. pelos mares da Cornualha

. transverso

. qual seja o destino

. viagem de cápsula

. d'avis a paris

. Domingo, Janeiro 28, 2007

. Outono enquanto é tempo

. à maneira de querer

. génio fecundo

. no deserto nem penses

. acerca das rédeas da alma

. escritores malditos

. universo saramagíneo

. confúcio à espera de sair

.arquivos

. Julho 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Maio 2009

. Maio 2008

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

SAPO Blogs