Terça-feira, 13 de Dezembro de 2005

escritores malditos

Li, a seu tempo, o romance "Os Cus de Judas" de António Lobo Antunes, nos anos 70. Confesso que na primeira leitura, agora chamada na diagonal, pareceu-me uma prosa desarrumada, desconceituada no aspecto "gráfico-sintáctico". Mas, li alguns capítulos. E voltei atrás para recomeçar numa leitura mais disponível, com mais, digamos, paciência e atento à nova linguagem da sua escrita -porque reflecti sobre a razão estilística do assim "ser". Digo, por outro lado, que renasci do bloqueio das duas décadas precedentes, após a leitura dos romances seguintes de Lobo Antunes. Fez-me sentir noutro mundo narrativo, um pouco semelhante à técnica do romance policial, mas de tal maneira eficaz que, concluí ser a sua prosa pós-neorealista, elaborada para se efectuar uma leitura bem mais rápida, cinética, algumas vezes poética, autobiográfica e contraditória de uma sociedade onde a loucura, se encontra fora das grades dos hospícios. O percurso da minha geração -e do escritor-, encontra-se retratado na sua obra literária, desde a "Memória de Elefante", que obviamente veio incomodar muita gente. António Lobo Antunes foi candidato, várias vezes, ao Prémio Nobel, por mérito do seu perfil de escritor que não é apenas "local"; lê-se em qualquer língua, fazendo-se compreender numa comunicação universal, que se chama, sinceridade e actualidade. Que mais é preciso?

publicado por MateusVoltado às 18:45
link do post
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


.Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. imagem interpessoal

. o vento que nos guarda

. a mágica transformação

. era assim o caminho marít...

. que poetas árabes em seu ...

. o caminho de eufrates

. ai, se o ai para 2010

. un poème da carta de nave...

. ter coisas a dizer é dizê...

. entre cores e sabores o v...

. mUrosLatas&truqueS

. às vezes dá para lembrar

. um retrato asneirado

. 'arte pelo todo' Fernando...

. o zumbido da melga

. do mondego perdida

. lugares transparentes

. nem tudo que mexe

. pela insónia costumeira

. amanhã já te despedes

. bairro dos marítimos

. tranquilas aves do pensar

. blanco e negro

. ginja como reconstrução d...

. do mar esperei pela vida

. circulo da memória

. breve enfim

. em memória dos anos 60

. os à la minute d'agora

. [des]mote em pós-modernis...

. os cinco portões do limit...

. meridiano solar

. pelos mares da Cornualha

. transverso

. qual seja o destino

. viagem de cápsula

. d'avis a paris

. Domingo, Janeiro 28, 2007

. Outono enquanto é tempo

. à maneira de querer

. génio fecundo

. no deserto nem penses

. acerca das rédeas da alma

. escritores malditos

. universo saramagíneo

. confúcio à espera de sair

.arquivos

. Julho 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Maio 2009

. Maio 2008

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

SAPO Blogs